terça-feira, 30 de julho de 2013

Quarta dia de Poema...


http://1.bp.blogspot.com/-9D7-1CZtHQE/UK-QEUBk9SI/AAAAAAAAAoo/xiaf1z0hKbw/s1600/Retrato+de+Mulher+Negra+(1800)+-+Pintura+de+Marie-Guilhelmine+Benoist+(1768+%E2%80%93+1826)..jpg

 

O Navio Negreiro

Castro Alves

 
Um dos mais conhecidos poemas da literatura brasileira, O Navio Negreiro – Tragédia no Mar foi concluído pelo poeta em São Paulo, em 1868. Quase vinte anos depois, portanto, da promulgação da Lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico de escravos, de 4 de setembro de 1850. A proibição, no entanto, não vingou de todo, o que levou Castro Alves a se empenhar na denúncia da miséria a que eram submetidos os africanos na cruel travessia oceânica. É preciso lembrar que, em média, menos da metade dos escravos embarcados nos navios negreiros completavam a viagem com vida. Composto em seis partes, o poema alterna métricas variadas para obter o efeito rítmico mais adequado a cada situação retratada. Assim, inicia-se com versos decassílabos que representam, de forma claramente condoreira, a imensidão do mar e seu reflexo na vastidão dos céus:

 https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcT2FnQ3w8wXtu_v4zOFOMCqftQANl6fnItPTHWdVjZQZh3LBXiuyA
 O Navio Negreiro

Parte I
“'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
Brinca o luar - dourada borboleta;
E as vagas após ele correm... cansam
Como turba de infantes inquieta.
'Stamos em pleno mar... Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro...
O mar em troca acende as ardentias,
- Constelações do líquido tesouro...
'Stamos em pleno mar... Dois infinitos
Ali se estreitam num abraço insano,
Azuis, dourados, plácidos, sublimes...
Qual dos dous é o céu? qual o oceano?...
'Stamos em pleno mar. . . Abrindo as velas
Ao quente arfar das virações marinhas,
Veleiro brigue corre à flor dos mares,
Como roçam na vaga as andorinhas...
 http://www.nidearte.net/images/Escrava100x60.jpg
Aguardem...Quarta feira que vem continua, Parte II
beijim... Jô Monteiro